Esta é uma rede social de escritores,artistas plásticos  e músicos, para associar-se a Literarte - Associação Internacional de escritores e artistas, entrem no site www.grupoliterarte.com.br e conheça todas as vantagens em ser um associado!

 

 

AMAPÁ:
Todo o litoral atlântico, a norte da desembocadura do rio Amazonas, segundo o célebre Tratado de Tordesilhas, em 1494, ficou enquadrado no direito de ocupação de Espanha. Acontece que Portugal e Espanha só viriam a explorar a região de Amapá entre 1580 a 1640, quando os reis de Espanha governaram Portugal.
Também franceses, Ingleses e holandeses se interessaram pelo território, na época chamado Costa do Cabo Norte.
Deles extraíram madeira, resinas, frutos corantes como o urucum (açafroa – colorau) e óleos vegetais, ainda produtos de pesca, designadamente, o peixe-boi, guarabá ou manati, (mamífero aquático, que pode pesar 300 quilos) que salgado era vendido na Europa.
No século XVI, a região da chamada Guiana, estendia-se da foz do rio Amazonas à foz do rio Orinoco, onde as tribos caribes e aruaques dominavam.
O termo guiana significa “terra de muitas águas”, na língua aruaque.
No século XVI, Os territórios das Guianas, foram colonizados pela Inglaterra, Holanda, França, Portugal e Espanha.
O estado de Amapá, até meados do século XX, foi chamado Guiana Portuguesa, Guiana Brasileira, depois da independência.
Os portugueses, ao iniciarem a penetração da Amazónia, inquietavam-se com a competição estrangeira.
Bento Maciel Parente, em 1637, obteve de Filipe II a concessão do Cabo Norte, como capitania hereditária, tal como o rei D. João III criara cem anos antes.
Título reconhecido, depois da Restauração, pelo rei D. João IV, nem por isso as incursões estrangeiras, sobretudo de franceses a basear as suas pretensões em cartas-patentes, que o rei Henrique IV fizera em 1605 a Daniel de la Touche, sire de La Ravardière.
Em 1713, o primeiro tratado de Utrecht, dispôs que o limite entre as possessões portuguesas e francesas no norte do Brasil, seria o rio Oiapoque ou de Vicente Pinzón, enquanto consagrou a desistência francesa de usar o rio Amazonas, garantindo a Portugal a posse exclusiva de ambas as margens.
Entretanto, os portugueses prosseguiram com o desbravamento de terras e a catequese de índios, fundando-se missões franciscanas e jesuíticas.
Depois o Marquês de Pombal, que bastante se ocupou da Amazónia, em 1764, ordenou a construção da maior fortaleza da colónia, em Macapá, capital de Amapá, a Fortaleza São José de Macapá.
Para Macapá e Nova Mazagão foram levadas 340 famílias de Mazagão (Marrocos) e açorianos, como colonos.
A fortaleza de São José de Macapá, que os portugueses construíram, constitui por hoje, uma das sete maravilhas do Brasil.
Daniel Costa

Exibições: 12

Comentar

Você precisa ser um membro de Associação Internacional de Escritores e Artistas para adicionar comentários!

Entrar em Associação Internacional de Escritores e Artistas

© 2017   Criado por Izabelle Valladares.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço