Esta é uma rede social de escritores,artistas plásticos  e músicos, para associar-se a Literarte - Associação Internacional de escritores e artistas, entrem no site www.grupoliterarte.com.br e conheça todas as vantagens em ser um associado!

 

 

Poesia - As mãos de Z - inspirada na minha avó que completou 100 anos. Publicada na Antologia Lindas Lendas Brasileiras.

As mãos de Z

 

 

 

No grande casarão,

erguido no tempo da escravidão

podemos ver muitas mãos.

Mas são as mãos de Z lia.. 

que ascendem e atendem

aos que dela dependem.

 

Elas estão por todo lado.

No fogão a lenha,

dentro do tacho de cobre,

tudo fica mesclado.

E nós, inebriados,

fitamos  o acobreado, 

o dourado e o prateado.

 

E ela, com aquele maquiado,

deixa apaixonado o Jorge amado.

As mãos de Z lia não estão no Norte,

na maniçoba,

nem no Centro da grande obra;

elas se encontram no Sudeste:

- Foi de lá que vieste.

 

Menina dama, com jeito de princesa

 chega à grande casa já rainha

porque lá só se chega casada.

 

 Sinhá moça, que usa leite Moça,

adoça a boca do Senhor do algodão,

do café, do leite e do feijão.

 

A escolhida das Minas Gerais

adentrou pelos umbrais

e nunca mais deixou

de estar rodeada

de rabanadas, risadas,

goiabadas e meninadas.

 

Vieram os filhos, dezena deles. 

Medida desmedida

 porque filho não se mede.

 

 Logo em seguida, a temporada dos netos,

na virada da alvorada.

E lá dentro da cozinha tudo se mantinha,

a doninha mandava e ordenava.

 

Do tacho mágico de Z lia

 entre camélias e bromélias,

de tudo saía:

pães doces, doce de leite,

arroz doce, ambrosia e ela dizia:

- Agora preciso de queijo e manteiga.

 

E eu, leiga, pensava:

como é possível, de um só lugar

alimentar, saciar e acalentar

tanta gente carente?

Ela amava e se dava,

calava e se aquietava.

 

 Acalmava a boca e o coração

de quem viesse,

de longe ou de perto,

de um jeito que toca no peito.

 

Satisfeitos, todos que a rodeiam

Jamais se esquecerão

dos cem anos de fogão,

amor e dedicação.

 

Z lia, uma linda lenda brasileira,

avó açucareira, mãe abençoadeira,

mulher abraçadeira.

 

Abraçou a vida e deixou viva

a lembrança de quem sempre se deu,

mesmo sendo  pouco o que recebeu.

 

Autora: Mágda Côrtes Regadas Resende

 

 

 

 

 

 

 

 

Exibições: 22

Comentar

Você precisa ser um membro de Associação Internacional de Escritores e Artistas para adicionar comentários!

Entrar em Associação Internacional de Escritores e Artistas

© 2017   Criado por Izabelle Valladares.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço